quarta-feira, outubro 20, 2004

Especial - Série Cinema

Badly Drawn Boy - About a boy (2002 - trilha sonora)



Começarei essa resenha lançando mão das premissas aristotélicas. "About a boy" - filme baseado no livro homônimo de Nick Hornby - é pop (premissa 1). Badly Drawn Boy fez a trilha de "About a boy" (premissa 2). Portanto, Badly Drawn Boy é pop. Certo? A verdade é que eu nem precisava ter raciocinado assim para chegar a essa conclusão. Bastava apenas ter, ao menos, assistido o filme, que é, decididamente, pop. Talvez não tão pop quanto “High Fidelity” - outro filme baseado num livro de Hornby -, mas ainda assim pop.

Assisti ao filme, mas sabe como é, quando se gosta de uma coisa, não há como evitar. Por isso, fui atrás da trilha sonora. Sinceramente, além do filme, o que mais me levou a ir atrás de tal trilha sonora foi o fato de "High Fidelity" ter uma das melhores trilhas sonoras que já ouvi. Só para adiantar e confirmar uma expectativa aqui: "About a Boy" é um filme, e "High Fidelity" é outro. Logo, as trilhas são diferentes entre si, não dando para separá-las entre melhor e pior. Apenas diferentes. Posto isso, vamos ao disco.

Badly Drawn Boy, o responsável por toda a trilha de "About a boy", é o pseudônimo de Damon Gough, possuidor de uma das mais brilhantes mentes pop da atualidade. Não foi à toa que o próprio Hornby o convidou para fazer a trilha do filme. Canções simples, melodias suaves e marcantes, além das letras por vezes quase ingênuas: Badly Drawn Boy, quando fez a trilha para o filme acertou em dois pontos distintos. O primeiro é escrever a arranjar musicas para dar o clima da cena mostrada na tela. O segundo, e mais difícil, foi acertar a primeira e ainda por cima compor canções que existem por si só, não dependendo da lembrança da cena em que estavam para fazer sentido. Pensando assim, posso citar, por exemplo, "Silent sigh". Não me lembro exatamente em que momento do filme ela toca, mas posso afirmar que cada vez que escuto aquela introdução de piano sinto uma melancolia que apenas as melhores canções pop que conheço me fazem sentir.

Mas "About a boy" - a trilha - não fica por aí. Além de contar até as vinhetas que fazem parte do filme ("Exit Stage right", "Dead duck", "Wet, wet, wet", "Rachel's flat" ), há canções como "A peak you reach" e "Something to talk about", onde a criatividade com os violões e melodias falam mais alto, deixando claro que um dos pontos fortes de Badly Drawn Boy são os violões. Outra canção que merece um destaque especial é "Above you, Below me", uma das melhores composições do disco, seja na letra ou no arranjo de cordas que fazem a base para a música. Entre os pontos altos do disco ao lado de "Above you, Below me" está "A minor incident" - balada voz, violão e gaita digna de repeats e mais repeats -, “River-sea-ocean” - onde é possível se ouvir ecos de Beatles por toda a música - e “Walking out of stride” - uma daquelas canções simples, diretas e inegavelmente emocionantes.

Há faixas, digamos, engraçadas, que mostram a versatilidade de Damon Gough como "S.P.A.T" e "File me away". Nessas fica claro que aquele disco é uma trilha sonora, e não um disco do músico, onde encontramos uma linha lógica na composição. As faixas são boas, é verdade, mas ficam completamente fora do contexto disco. Fugindo um pouco do restante das músicas, "S.P.A.T." possui um ar eletrônico, samplers e programações de baterias, enquanto “File me away”, embora possua também os violões das outras canções do disco, é meio que uma irmã mais calma de "S.P.A.T.", onde essa mistura de “eletrônices” e violões chega numa melodia assoviável e, por que não, agradável de ser ouvida.

E o filme. É claro, se há uma trilha sonora é porque há também um filme. Para saber em maiores detalhes do que exatamente se trata "About a boy" - o filme -, é só dar um pulo no WideScreen. Lá Paul Jones esclarecerá todas as suas dúvidas. E irá um pouco mais além.