domingo, dezembro 12, 2004

Esta semana:

Gonococos - O sonho não pode acabar (2004)



O pop, como todos os gêneros musicais, possui várias facetas. Motivo de rixa entre puritanos e experimentalistas, essa discussão já rendeu folhas e mais folhas, e é claro, nunca chegou a lugar nenhum. Talvez o primeiro motivo disso esteja no fato de ser quase impossível definir o que é o pop puro. Pense. Não é tão fácil assim. Por isso, vamos deixar de lado tal conversa, e ir à música, pois no fim, é ela quem nos acompanha no carro, em casa e, para alguns como eu, durante a vida inteira.

Está cada vez mais difícil encontrar bandas com a proposta de um pop limpo, sem interferência de outros estilos ou tendências. Entretanto, mesmo o underground sofrendo essa invasão de bandas onde o pop é levado a caminhos diversos, ainda há quem aposte num som simples, assoviável e letras onde a temática não varia muito além do amor e suas vertentes (amor não-correspondido, impossível, do dia-a-dia, etc). E foi seguindo exatamente essa linha que a banda campineira Gonococos lançou seu primeiro CD, "O sonho não pode acabar".

É quase impossível não perceber influência de bandas como Jota Quest, Skank ou LS Jack nesse primeiro trabalho da banda. Aproveitando-se do que alguns apontam como o problema do pop por ele mesmo - a falta de originalidade -, o Gonococos faz um som sem muitas surpresas, mas tão fiel a cartilha pop que não será nada surpreendente se alguma daquelas canções ficarem se repetindo incansavelmente em sua cabeça após ouvir ao disco. É muito provável que o refrão de "O Sonho" - responsável pela abertura do CD - esteja entre as mais tocadas do seu subconsciente, assim como a melodia de "Não posso te perder" seja a mais assoviável das canções da semana. Dentre as músicas mais "pegadas" do disco, o ponto alto é "Ela não estava aqui", um pop certeiro que sem maiores dificuldades cairia nas graças de onze entre onze ouvintes das FMs país à fora.

E como todo bom disco pop, não poderiam faltar as baladas. Violões, pianos, os climas confessionais das letras e todos os ingredientes para uma boa balada estão lá. Os violões falam mais alto nas faixas "O luar" - balada fácil para trilha sonora de romances e afins - e "Tudo vai brilhar" - violão e guitarra num dueto já conhecido, além de vocais onde a influência do Jota Quest mostra sua maior força. A última faixa do disco - "Eu quero" - é a típica balada estruturada como "Easy" (do "Faith no More", lembra?): levada inteira no piano, um solo de guitarra e a chave de ouro para um disco com a proposta desta banda.

Ou seja, como pop não faz mal a ninguém, não custa nada dar um pulo no site do Gonococos e ver o que andam fazendo Taka (Vocal e guitarra), Marcelinho (baixo), Dittrich (guitarra) e Fernando (bateria). Além da agenda, há milhares de fotos, contato e outras coisas mais.